Nobel da Paz para Roani, assine a petição!

http://chng.it/v7gWWm7p9z

O Cacique Raoni Metuktire dedicou sua vida à proteção da Amazônia e dos povos originários do Brasil. Aos 90 anos, Raoni é um símbolo vivo da luta pela proteção da natureza, pelos direitos dos povos indígenas e pela paz e boa convivência entre todos os povos do mundo.

Desde os anos 80, Raoni leva a sua mensagem para lideranças do mundo todo a respeito da necessidade de proteger a floresta amazônica e suas populações nativas. O cacique é respeitado e aplaudido por sua bela trajetória de luta, liderança, dignidade e honestidade. Sempre construindo pontes de diálogo.

Em 9 de outubro, será anunciado o ganhador do Prêmio Nobel da Paz 2020 pelo comitê da Noruega. Portanto, reforçamos com este abaixo-assinado a legitimidade do Cacique Raoni Metuktire, como representante dos povos originários do Brasil, para ser o primeiro brasileiro a conquistar o Prêmio Nobel da Paz! 

Assine esta petição e compartilhe com seus amigos para apoiar a candidatura do Cacique Raoni ao Nobel da Paz 2020! 

O Instituto Sempre Alerta acredita que a maior formação que se pode dar aos jovens é a consciência crítica e a capacidade de abstrair, recentemente o Ministro do Meio Ambiente resolveu por ele mesmo enfraquecer as regras que protegem MANGUEZAIS e RESTINGAS ambientais frágeis porém, necessário a para regular o clima, reduzir impactos de tsunamis e sobretudo por sustentar milhões de famílias pelo Brasil afora, porém a decisão do ministro foi barrada pela justiça federal do RJ exatamente por ferir a lei.
Consultando a história vemos um fato muito parecido, vamos a ele…

A Prússia do século XVIII conheceu um dos maiores estadistas de que se tem notícia: Frederico II, também conhecido como Frederico, O Grande. Déspota esclarecido, amigo de Voltaire, amante das artes, o rei Frederico II também se notabilizou pelas campanhas militares bem-sucedidas, que renderam ao território da Prússia importantes faixas de terra.

A despeito da grandiosidade de sua figura, um episódio curioso marca a biografia do monarca. Coube ao escritor François Andrieux registrar o fato. No ano de 1745, Frederico II foi visitar as obras do castelo de Sans-Souci, projetado especialmente para seu conforto e repouso longe da Corte. Para sua infelicidade, havia nas cercanias um moinho pertencente a um moleiro, que, incorporado à paisagem, diminuía-lhe a beleza da vista.

Mesmo diante da insistência do rei em comprar-lhe o moinho, o moleiro se negava, alegando que ali fora onde seu pai morrera e onde criava os seus filhos. Não iria abrir mão de sua propriedade por qualquer quantia.

Cansado das recusas do velho senhor e porque já havia oferecido valores que superavam o do moinho resolveu ele mesmo ir falar com o moleiro, chegando lá, argumentou, ofereceu valores cada vez mais altos e observado por seu séquito incrédulo, acabou se irritando.

Irritado, disse então o monarca ao moleiro: “Você bem sabe que, mesmo que não me venda a terra, eu, como rei, poderia tomá-la sem nada lhe pagar”, no que o moleiro retrucou com a conhecida frase:

“O senhor? Tomar-me o moinho? Só se não houvessem juízes em Berlim”.

O conto nos diz que ao ouvir a resposta, o rei entendeu que, mesmo sendo um monarca poderoso, não estava acima da lei, deixando o moleiro em paz e desistindo da ampliação do palácio, dizem que o moinho ainda continua lá.

Daí em diante, a expressão “ainda há juízes em Berlim” tem sido usada como significado de resiliência, de resistência às pretensões injustas e da confiança de que Justiça será feita, mesmo contra os poderosos, mas, especial, que a lei deve servir para todos.

Parabéns Igarassu 485 anos, uma história a ser descoberta.

Parabéns Igarassu, 485 anos, uma história a ser descoberta.


https://institutosemprealerta.org/?p=8427

Uma cidade viva que cresce todos os dias, uma cidade exuberante que pensa no futuro que tem escolas de formação profissional, que se destaca nos indicadores oficiais, uma cidade que acolhe imigrantes e que domina a economia de sua região, que influencia política e socialmente outras cidades, essa é Igarassu do início do século 21, todavia nem sempre foi assim e no Movimento Escoteirista os jovens devem aprender a ter uma visão ampla e crítica do mundo que o rodeia e para tanto é necessário a compreensão do CONTEXTO HISTÓRICO onde os eventos acontecem é o que vamos fazer neste artigo, boa leitura

A cidade de Igarassu está entre as mais antigas do continente americano do pós período de ocupação européia e sua fundação se inicia com o massacre sobre os índios Kaetés que não aceitaram a ocupação de suas terras e os soldados portugueses,  um detalhe importante é que os invasores já usavam armas de fogos enquanto que os nativos usavam arco, flecha, zarabatana e bodurna ou seja foi uma luta bem injusta. De outro lado foram sequestrados homens e mulheres africanos para serem escravizados, ou seja essa cidade foi construída sobre DOR, SOFRIMENTO, EXPLORAÇÃO, HUMILHAÇÃO e na pior diversidade de miséria humana engendrada pelos ricos e poderosos que enriqueceram e voltaram para a metrópole deixando um rastro de desumanidade pelo caminho. Todavia o ser humano tem uma enorme capacidade de resignação e esperança afinal não há outra opção se não viver, e apesar dos colonizadares, apesar da crueldade no processo de colonização os descendentes do índios, dos africanos e de muitos brancos pobres também explorados mantiveram vivas culturas, tradições, usos costumes e sobretudo a herança de lembrar e honrar seus ancestrais. Neste 25 de setembro de 2020 onde se comemora 485 anos desta cidade, estão de parabéns os índios de quem nos chegou além da herança genéticas os saberes e conhecimentos locais com plantas e ervas medicinais, os pretos de quem nos chegaram religião, comida, histórias, roupas, esse povo Parabéns Igarassu 485 anos, uma história a ser descoberta nossa identidade cultural e humana. Parabéns a nossos ancestrais, nossos irmãos mais velhos e parabéns aos mais novos que hoje tem sobre os ombros a responsabilidade de continuar as tradições, de manter a esperança e sobretudo a obrigação de não esquecer.

23 de setembro – Dia Internacional de combate a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças

Segundo o governo Norte Americano, no ano de 2003 foram levados à Justiça oito mil traficantes de seres humanos e apenas 2.300 foram condenados. A impunidade e a alta rentabilidade, nesse caso, tem chamado a atenção e mudado o foco do crime organizado para esse tipo de comércio.

Segundo dados do Escritório da Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) de 2009 mostram que o tráfico de pessoas representa lucros que ultrapassam os 30 bilhões de dólares e que atinge mais de 2,4 milhões de pessoas no mundo inteiro. Indicaram, ainda, que 66% das vitimas são mulheres, 13% eram meninas, enquanto apenas 12% eram homens e 9% meninos. Só na América Latina, esse número é estimado em cerca de 700 mil vítimas.

No Brasil, a maioria das vítimas são de estados como Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

Prática é vista como crime internacional

A Convenção de Palermo, ato normativo internacional mais abrangente no combate ao crime organizado transnacional, define essa prática como, “o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos”.

Comercializar seres humanos é uma atividade considerada de baixo risco e alto lucro. As vítimas entram nos países com vistos de turista e a exploração pode ser confundida com atividades legais como agenciamento de modelos, de babás e outros. Estudos apontam que as principais causas do tráfico de pessoas são a pobreza, a falta de oportunidades de trabalho, a discriminação de gênero, a violência doméstica, a instabilidade política e econômica de países em desenvolvimento e, claro, a falta de uma legislação adequada. Segundo o governo Norte Americano, no ano de 2003 foram levados à Justiça oito mil traficantes de seres humanos e apenas 2.300 foram condenados. A impunidade e a alta rentabilidade, nesse caso, tem chamado a atenção e mudado o foco do crime organizado para esse tipo de comércio.

Políticas de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

No Brasil, desde 2006, foi aprovado o Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Decreto nº 5.948), que determina políticas e diretrizes para prevenir, reprimir e atender as vítimas dessa modalidade perversa de crime. Esse foi um grande passo na busca de se aperfeiçoar a legislação brasileira e aprimorar os instrumentos de enfrentamento. E a participação do maior número de pessoas e organizações no combate ao tráfico e a exploração sexual de mulheres e crianças é o diferencial positivo e a contribuição de cada um nesse quadro desolador em todo mundo.

Carnaval

Durante o período de Carnaval, as autoridades brasileiras ainda intensificam o alerta para o tráfico de mulheres. Devido ao aumento da chegada de turistas estrangeiros e ao apelo sexual da festa, as brasileiras se tornam alvo preferencial das organizações criminosas.

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 Internacional – recebeu, em 2012, 80 ligações de mulheres vítimas de violência que moram fora do país. O serviço atende gratuitamente brasileiras que vivem na Espanha, Portugal e Itália.

Por que a data foi criada?

O Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças foi criado a partir da promulgação da Lei Palácios, há 95 anos, exatamente no dia 23 de setembro de 1913, na Argentina. A lei foi criada para punir quem promovesse ou facilitasse a prostituição e corrupção de menores de idade e inspirou outros países a protegerem sua população, sobretudo mulheres e crianças, contra a exploração sexual e o tráfico de pessoas. Assim, guiado pelo exemplo argentino, no dia 23 de setembro de 1999, os países participantes da Conferência Mundial de Coligação contra o Tráfico de Mulheres escolheram a data como o Dia Internacional Contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças.


Fonte: CRESS

Dia da árvore, saiba como comemorar 😉

A FESTA DAS ÁRVORES
No Norte e Nordeste do Brasil se comemora, desde 1965, a Festa Anual das Árvores na última semana de março, período muito oportuno porque coincide com a estação chuvosa na nossa região e vem logo em seguida ao Dia Mundial das Florestas (21 de março) e Dia Mundial da Água (22 de março). Afinal, florestas e água são tão próximas quanto essenciais à vida na Terra.
No entanto, apesar de ser uma deliberação tão antiga, editada há mais de 50 anos, a Semana da Árvore em março ainda não é conhecida por todos e é muito comum vermos escolas nordestinas homenageando as árvores no dia 21 de setembro. É certo que esse é um equívoco de pouca gravidade, além de ser bem-vindo o reconhecimento da importância desses seres em qualquer época do ano. Mas é importante se reconhecer o mérito desse antigo decreto de Castello Branco, apesar de produzido em plena ditadura, e se tentar compreender porque a antiga instituição do Dia da Árvore em setembro persiste até hoje na memória de pessoas que nem eram nascidas quando ele existia.
Primeiramente, a criação de uma semana dedicada às árvores deu oportunidade à realização de eventos muito mais consistentes e proveitosos do que as simples homenagens de um único dia. Também, e principalmente, reconheceu e valorizou a variabilidade ambiental do nosso grande país e considerou-a na definição de duas épocas distintas para a Festa Anual: março, para o Norte e Nordeste, e setembro para as demais regiões (veja o Decreto a seguir). E, sem dúvidas, ao considerar a distribuição das chuvas, pensou na realização de plantios nessas datas, ou seja, previu ações ambientais concretas e objetivas. Parece pouca coisa, mas são indícios que refletem uma inspiração realmente comprometida com o ambiente e com o reconhecimento da importância das árvores para o país e seus cidadãos.

As lágrimas de Kotyra

Existe uma lenda indígena “AS LÁGRIMAS DE POTYRA” a índia Potyra e o Índio Itagibá eram apaixonados mais com a chegada dos europeus gananciosos por riquezas Itagibá foi a guerra e lá morreu Potyra ao saber chorou e suas lágrimas de amor verdadeiro se transformaram em diamantes encheram os rios.

Kotyra, nossa protagonista, tem entre 16 e 21 anos, descendente de índios, negros e europeus, ama as tradições Afro-indígenas do Brasil em especial as de Pernambuco, recebeu esse nome homenagem a sua bisavó que se chamava Potyra igual a da lenda, ambientalista sonha em ser bióloga e advogada de sucesso, mas tem uma paixão secreta: máquinas pesadas, caminhões e robôs gigantes,  Escoteira, ama esportes radicais contato com a natureza, caminhadas, trilhas, canoagem, praia, está sempre ajudando na comunidade, plantando árvores e limpando praias e rios, mas hoje Kotyra chora sem consolo pelos crimes ambientais que destroem o lar de tantos animais magníficos que sobreviveram a milhões de anos mas que são destruídas por poucos anos de mandato de políticos inescrupulosos que não respeitam nossas riquezas nem nosso povo, ela chora por seus parentes índios, verdadeiros donos da terra, e seus ancestrais que estão sepultados nas florestas e nada podem fazer contra a destruição da floresta que sustentou durante gerações seu povo. Kotyra chora por aqueles que não se comovem com a dor dos outros, mas seu choro é de quem acredita que igual a ela outras pessoas também choram mas que também arregaçam as mangas para construir um mundo melhor. Suas lágrimas são tão preciosas quanto as da índia Potyra pois são de amor verdadeiro, pela terra, pela natureza e pela vida o bem maior legados aos seres vivos desse planeta.

Dia nacional de combate ao fumo

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável no mundo. A organização estima que um terço da população mundial adulta, cerca de 2 bilhões de pessoas, sejam fumantes. Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina mundial e 12% da feminina fumam. 

O tabaco está relacionado a mais de 50 doenças sendo responsável por 30% das mortes por câncer de boca, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença do coração, 85% das mortes por bronquite e enfisema, 25% das mortes por derrame cerebral. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano mais de cinco milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro. E, em 20 anos, esse número chegará a 10 milhões se o consumo de produtos como cigarros, charutos e cachimbos continuar aumentando.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), vinculado ao Ministério da Saúde, o tabaco também tem relação com a impotência sexual e infertilidade masculina, pois, segundo estudos, prejudica a mobilidade do espermatozóide. Os mesmos prejuízos também são atribuídos ao cachimbo e ao charuto. Apesar de não serem tragáveis, possuem uma concentração de nicotina maior, que é absorvida pela mucosa oral.

Não só o fumo ativo, mas o passivo também aumenta os riscos de doença. Sete não fumantes morrem por dia em consequência do fumo passivo. O tabagismo passivo aumenta em 30% o risco para câncer de pulmão e 24% o risco para infarto.

Com informações do Portal Brasil 

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP
imprensa@fem.org.br

Siga-nos: www.twitter.com/femcut
Facebook: www.facebook.com/fem.cutsp

231 anos da Declaração dos Direitos Humanos e do cidadão.

No dia 26 de agosto é celebrado o Dia da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, data em que se comemora a provação, em 1789, deste documento que representa um marco para a democracia tal como a conhecemos hoje.

No período inicial da Revolução Francesa, e incentivados por seus ideais, os parlamentares da Assembleia Constituinte da França decidem elaborar uma declaração que servisse de preâmbulo à Magna Carta que estavam designados a redigir. Nasce, após intenso trabalho, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.  Este documento, em seus 17 artigos, contempla, pela primeira vez na história, os ideais de liberdade, igualdade e direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, demonstrando seus princípios iluministas, objetivando alcançar toda a coletividade. O texto definitivo foi apresentado à Assembleia Nacional e aprovado no dia 26 de agosto de 1789.

Durante o processo revolucionário, foi necessário reformular o texto em 1793, adequando-o ao atual contexto, resultando em uma segunda versão da Declaração. Os ideais da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão serviram de base não só para as Constituições Francesas de 1848 e para a atual, mas também inspiraram a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos, promulgada pela ONU, guiando, ainda, o texto de inúmeras Constituições ao redor do globo, incluído nossa Magna Carta Brasileira.

Íntegra do conteúdo da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão:

A Assembleia Nacional reconhece e declara em presença e sob os auspícios do Ser Supremo, os direitos seguintes do homem e do cidadão:

Art.1.º Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem fundamentar-se na utilidade comum.

Art. 2.º A finalidade de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.

Art. 3.º O princípio de toda a soberania reside, essencialmente, na nação. Nenhum corpo, nenhum indivíduo pode exercer autoridade que dela não emane expressamente.

Art. 4.º A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudique o próximo: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites senão aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela lei.

Art. 5.º A lei não proíbe senão as ações nocivas à sociedade. Tudo que não é vedado pela lei não pode ser obstado e ninguém pode ser constrangido a fazer o que ela não ordene.

Art. 6.º A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou através de mandatários, para a sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, seja para proteger, seja para punir. Todos os cidadãos são iguais a seus olhos e igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos.

Art. 7.º Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei e de acordo com as formas por esta prescritas. Os que solicitam, expedem, executam ou mandam executar ordens arbitrárias devem ser punidos; mas qualquer cidadão convocado ou detido em virtude da lei deve obedecer imediatamente, caso contrário torna-se culpado de resistência.

Art. 8.º A lei apenas deve estabelecer penas estrita e evidentemente necessárias e ninguém pode ser punido senão por força de uma lei estabelecida e promulgada antes do delito e legalmente aplicada.

Art. 9.º Todo acusado é considerado inocente até ser declarado culpado e, se se julgar indispensável prendê-lo, todo o rigor desnecessário à guarda da sua pessoa deverá ser severamente reprimido pela lei.

Art. 10.º Ninguém pode ser molestado por suas opiniões , incluindo opiniões religiosas, desde que sua manifestação não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei.

Art. 11.º A livre comunicação das ideias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem; todo cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na lei.

Art. 12.º A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma força pública; esta força é, pois, instituída para fruição por todos, e não para utilidade particular daqueles a quem é confiada.

Art. 13.º Para a manutenção da força pública e para as despesas de administração é indispensável uma contribuição comum que deve ser dividida entre os cidadãos de acordo com suas possibilidades.

Art. 14.º Todos os cidadãos têm direito de verificar, por si ou pelos seus representantes, da necessidade da contribuição pública, de consenti-la livremente, de observar o seu emprego e 

de lhe fixar a repartição, a coleta, a cobrança e a duração.

Art. 15.º A sociedade tem o direito de pedir contas a todo agente público pela sua administração.

Art. 16.º A sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos nem estabelecida a separação dos poderes não tem Constituição.

Art. 17.º Como a propriedade é um direito inviolável e sagrado, ninguém dela pode ser privado, a não ser quando a necessidade pública legalmente comprovada o exigir e sob condição de justa e prévia indenização.

Dom Pedro Casaldáliga, um herói da realidade…

Casaldáliga, como era conhecido dedicou sua vida completamente a luta para proteger os mais indefesos, usou todo prestígio que a lugar de sacerdote lhe concedia para por a salvo os índios brasileiros que o estado e seus asseclas tanto persegue e expropria, Dom Pedro é o que conhecemos como Super- Herói, franzino de voz mansa mas firme, seu poder era amar como Jesus amou, sonhar como Jesus sonhou. No seu último adeus, ma estola de retalhos nicaraguenses , uma Cruz feita pelos mãos dos indíos Xavantes e sua túnica celebração é o que acompanha o corpo descalço de Dom Pedro Casaldáliga, um dos maiores seres humanos que já estiveram neste mundo, seu ataúde repousa sobre uma pilha de madeira reaproveitada e sobre um tecido de juta, que seu exemplo nos inspire na construção de um mundo melhor…
Casaldáliga pediu para ser sepultado no cemitério dos Karajás entre um pião e uma prostituta…

04 de agosto, dia do Padre

O mês de agosto é conhecido na Igreja Católica como o mês das vocações, que é dedicado aquelas pessoas que sentem o chamado da vocação para a vida sacerdotal, e no dia 04 de agosto é especialmente aos Padres, e também o dia São João Maria Vianey, padroeiro dos Padres. Nossa gratidão a todos os Padres que como sacerdotes conduzem suas comunidades nos caminhos de Deus.

Luiz Gonzaga o Escoteiro que se tornou Rei do Baião. Ano II

O Instituto Sempre Alerta por meio dos Escoteiros de Igarassu realizou no dia 02 de agosto de 2020 na Matriz de Santos Cosme e Damião uma Missa celebrada pelo Padre Josivan Bezerra. A celebração foi em memória de Luiz Gonzaga que aos 15 anos de idade entra para os Escoteiros da cidade do Exu, até então analfabeto lá aprende a ler e escrever, tendo aulas de alfabetização com o Chefe Escoteiro, participa de atividades e acampamentos que já anima com sua sanfona, período que conhece muitos amigos e vive momentos que vão lhe influenciar positivamente pelo resto da vida, é também com um amigo Escoteiro que faz as primeiras ” tocadas”, fatos estes que relata em sua biografia, anos depois chega ao RJ, onde faz sucesso com os rítmos nordertinos e assim se torna o Rei do Baião. A celebração foi animada pelos forrozeiros Diviol Lira voz e acordeon, Natalício Sales zabumba e Igor Leonardo no triângulo, o evento contou com a participação dos Escoteiros de Igarassu que homenagearam Padre Josivan pelo dia do Padre e pelos relevantes e constantes serviços prestados ao grupo e ao Escoteirismo na cidade, tedo sido conferido o título de “PADRE SEMPRE ALERTA.”

Padre Jaques Sevin um chefe Escoteiro a caminho da santidade

Pouco conhecido no Brasil o Padre Jaques Sevin é um das figuras mais importantes na história dos Escoteiros, sua determinação venceu até a antiga rusga que gerava desconfiança no clero francês quanto aos Escoteiros, uma criação inglesa.

Beatificação

A causa da beatificação do Servo de Deus foi introduzida em Roma em 1989. Ele foi declarado Venerável em 10 de maio de 2012 pelo Papa Bento XVI.

Jacques Sevin (7 de dezembro de 1882 em Lille – 19 de julho de 1951 em Boran-sur-Oise) era um jesuíta francês conhecido por seu papel na introdução do escotismo na França.

Jacques Sevin Le Pré Jacques Sevin Soeurs da Sainte Croix de

Jacques Sevin Jacques Sevin Wikipdia

O P. Sevin foi dispensado do serviço militar em 1902 e permaneceu na Bélgica durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1916, foi nomeado professor no colégio de Tuquet, em Mouscron, perto da fronteira francesa.

Jacques Sevin sevin1jpg

Oito dias após sua chegada a Mouscron, os alemães assumiram a faculdade como um hospital militar. Foi então que o padre Sevin se envolveu no movimento de escotismo, ganhando força no Reino Unido.

Jacques Sevin Jacques Sevin ICCS CICS

Entre 1917 e 1919, ele escreveu seu livro clássico Escotismo e estabeleceu a primeira tropa de escoteiros católicos em Mouscron em 1918.

O escotismo, uma importação da Grã-Bretanha, foi fortemente depreciado nos círculos eclesiásticos da época. Mas o padre Sevin conseguiu demonstrar que poderia ser revisado para corresponder a uma profunda visão cristã do homem. Com a fundação da Associação Escoteira da França em julho de 1920, ele absorveu as experiências do Escotismo Católico que existiam na França desde 1911 e se tornou o arquiteto de uma aliança entre o Escotismo, segundo o modelo estabelecido por Lord Baden-Powell e o Evangelho Cristão. Ele começou a publicar o boletim mensal Le Chef em 1921.

De acordo com Madre Madeleine Bourcereau, “O encontro entre o método Escoteiro e as intuições de P. Sevin desenvolveu uma pedagogia baseada nos valores do Evangelho, onde cada jovem é encorajado a florescer e desenvolver sua personalidade, extraindo o talento latente dentro de si. O padre Sevin se dedicou a tornar conhecidas as riquezas do escotismo e todo o seu valor educacional e evangélico – não é tarefa fácil “.

Ele começou a música uma oração atribuída a Santo Inácio de Loyola, tornou-se a “oração escoteira”, aqui traduzida literalmente do francês:

Senhor Jesus, ensina-nos a ser generosos, a servi-lo como você merece, a dar sem contar, a combater sem se preocupar com ferimentos, a trabalhar sem procurar descanso, a gastar-nos hoje, com a outra recompensa do que saber que fazemos a sua santa vontade.

Referências

Jacques Sevin Wikipedia

Associação Pernambucana de Escoteiros – uma construção permanente, parte I.

21 de Julho de 1917 foi fundada a Associação Pernambucana de Escoteiros, organização que viria a se tornar a mais antiga associação escoteira em funcionamento do Brasil,  e uma das mais antigas do mundo, passados 103 anos a APE, se mantém jovem em objetivos e anseios da juventude, porém tendo sempre um carinho especial com sua história e com os que ajudaram a moldá-la.

Inacio Batsita Cardoso

O ano era 1917 e o dia 21 de julho, uma tarde de sábado, um visitante ilustre chegava ao Recife era o General Ignácio Batista Cardoso, eram os primeiros anos da recém proclamada República brasileira e o General aliado de primeira hora do alagoano Floriano Peixoto, havia recebido a incumbência de visitar os estados do Nordeste com o objetivo de fortalecimento do governo de Venceslau Brás Pereira Gomes que havia assumido a presidência em 1914, mineiro de São Caetano da Vargem Grande, hoje Brazópolis em sua homenagem, era o 6º presidente do Brasil e foi eleito ao estilo da conturbada república do café com leite. Era o período onde os estados tinham presidentes, de inúmera revoltas como a da chibata, das grandes secas no Sertão Nordestino, do Cangaço, do tenentismo, logo viria a acontecer a Coluna Prestes,  o integralismo, a grande Greve de 1917, em plena Primeira Guerra Mundial e logo chegaria a Segunda Grande Guerra, na verdade não era um momento muito fácil para o governo central. Nesse panorama era extremamente necessário a unificação do pais em torno desse governo e nada mais adequado do que os Escoteiros para formar cidadãos fiés a nova ordem vigente é com essa tarefa que o General desembarca em Recife, visionário e estrategista como um bom militar convoca um grupo de homens, advogados, professores, médicos, magistrados, empresários que seriam os condutores desse trabalho com a juventude e assim montar um diretoria que fosse capaz de influenciar a sociedade foram eles:

Presidentes de honra – Joaquim Ignácio Baptista Cardoso – Republicano histórico e convicto , conhecido como “Alferes da República” por sua atuação ao lado do marechal Floriano Peixoto na consolidação da República, avô do ex presidente Fernando Henrique Cardoso e

Dr. Antônio Vicente de Andrade Bezerra que em 1918  foi eleito deputado federal pelo estado de Pernambuco, conseguindo ser reeleito em seguida. Na Câmara, assumiu as funções de primeiro Secretário e Presidente da Comissão de Legislação e Justiça. Em 1934, nas primeiras eleições realizadas para a composição das assembleias estaduais após a revolução de 1930, foi eleito deputado estadual em Pernambuco. Ao assumir a Presidência da Assembleia Legislativa, chegou a assumir o Governo de Pernambuco de forma interina.

Presidente da fato Dr. OIinto Victor, que que professor na cidade do Recife porém carece de mais informação;

Vice presidente Inácio de Barros Barreto, que foi eleito deputado federal pelo estado de Pernambuco em março de 1930. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em maio seguinte, mas teve o mandato interrompido em outubro com a vitória da Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder e extinguiu todos os órgãos legislativos do país. No campo jornalístico, colaborou com o Jornal do Recife e o Boletim da Sociedade Auxiliadora de Agricultura de Pernambuco, também na capital pernambucana;

Dr. Manoel Gonçalves da Silva Pinto como Tesoureiro o mesmo carece de mais informação;

O jornalista Américo R. Netto como Secretário que carece de mais informações;

Para Diretores de semana os senhores:

Dr. Manoel Antônio de Moraes Rego, homem público de destaque em sua atividade e de reconhecida estatura moral, foi nomeado, em 1915, pelo governador Manoel Borba para administrar o Recife, cargo que exerceu como prefeito da cidade até 1918. Foi professor da Escola de Engenharia de Pernambuco, de 1904 a 1951, e diretor da instituição por dois períodos, de 1917 a 1930 e de 1939 a 1948. Moraes Rego foi também engenheiro-chefe de fiscalização do porto do Recife. Em 1905, fundou a Escola Livre de Engenharia. Foi fundador do Clube de Engenharia de Pernambuco, em 1919, e presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) em dois mandatos, em 1941 e 1947;

Dr. Francisco Saturnino Rodrigues de Britto, mais conhecido como Saturnino de Britto (Campos, 14 de julho de 1864 — Pelotas, 10 de março de 1929), engenheiro sanitarista brasileiro que realizou alguns dos mais importantes estudos de saneamento básico e urbanismo em várias cidades do país, sendo considerado o “pioneiro da Engenharia Sanitária e Ambiental no Brasil”, em 1920 projetou a retificação do Rio Tietê sem a construção das vias marginais. Os planos incluíam um parque com 25 quilômetros de extensão por 1 quilômetro de largura ao longo do rio, o qual seria o maior parque fluvial do mundo, seis vezes maior que o Central Park em Nova Iorque, o mesmo projetou o saneamento do Recife entre outras cidades no Brasil e no exterior;

Dr. Luís Correia de Brito (Luiz Corrêa de Brito, na grafia original arcaica), mais conhecido como Correia de Brito (Salvador, 21 de julho de 1859 — 11 de setembro de 1930), foi um engenheiro, empresário e político brasileiro. Foi senador pelo Estado de Pernambuco de 1927 a 1930, além de deputado federal de 1918 a 1926;

Dr. Luiz da Costa Porto Carreiro Neto –  brasileiro, doutor, engenheiro , professor e assistente da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, um dos maiores médiuns do Brasil , seguidor de Francisco Valdomiro Lorenz e companheiro de Francisco Cândido Xavier . Nasceu em 7 de janeiro de 1895 em Recife , Pernambuco e morreu no Rio de Janeiro às 10 da manhã de 21 de julho de 1964. Foi diretor do Instituto de Química da Escola Politécnica de 1937 a 1946. Secretário Geral da BEL e vice-presidente da BKE , vice-delegado chefe da UEA , membro do comitê de idiomas. Membro vitalício da Federação Espírita Brasileira . Delegado de Pernambuco no Conselho Federal Nacional Espírita. Membro da Sociedade Brasileira de Cultura Alemã e membro honorário do Instituto Brasileiro de Geografia. Campeão do xadrez , ele era especialista em finais artísticos. Publicou de 1932 a 1934 um artigo na revista “Xadrez Brasileiro”.

Dr. Arthur da Silva Rego – que foi desembargador de Pernambuco porém carece de mais informações.

20200721_004020

A Associação Pernambucana de Escoteiros, fundada em 21 de julho de 1917,  cujos atos constitutivos foram registrados em 21 de Julho de 1917, no 1º Registro de Títulos e Documentos e Registro Civil de Pessoas Jurídicas Mabel de Hollanda Caldas protocolado sob o nº 4240 e Registrado no Livro A-01, sob o nº 119 em 21 de Julho de 1917, com matéria Publicada no Diário Oficial da União em 21 de Julho de 1917,  foi inicialmente compostas por estes homens, podemos verificar que foram pessoas de grande contribuição para a sociedade pernambucana, para o Brasil e para o mundo, nesta data os Escoteiros em Pernambuco  tem grande orgulho em dizer que além desses homens podemos citar Luiz Gonzaga, Rodolfo Aureliano e muitos outros conhecidos e anônimos que contribuiram com o fortalecimento do movimento em Pernambuco. Hoje a direção da APE é composta completamente por homens e mulheres egressos do Movimento Escoteiro Pernambucano que mantém o espírito de colaboração e compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e fraterna por meio do “aprender fazendo” para que deste forma possam auxiliar os jovens a escrever seus projetos de vida.

Pernambuco, 21 de julho de 2020.

Hino a alegria, fique no seu cantinho!

O Hino da Alegria, ou Ode à Alegria, é o nome do poema escrito por Friedrich Schiller em 1785 e tocado no quarto movimento da 9.ª sinfonia de Ludwig van Beethoven. Neste poema Schiller expressa uma visão idealista da raça humana como irmandade, uma visão que tanto este como Beethoven partilhavam.

Nesse vídeo o Escoteiro Sênior Muryllo Gonçalves dos Escoteiros de Igarassu, interpreta o trecho da famosa peça e faz uma apelo nesses tempos de pandemia ” FIQUE NO SEU CANTINHO”.

Associação Pernambucana de Escoteiros recebe certificado do WWF.

Os Escoteiros Pernambucanos em especial os Escoteiros de Igarassu estão de por esse reconhecimento de participação efetiva na hora do planeta que aconteceu dia 28 de março a a APE e os Escoteiros de Igarassu, mobilizaram seus meninos e meninas para que apagassem as luzes de casa por uma hora a assim poderam participar da redução pela demanda de energia elétrica no mundo e assim reduzir o aquecimento global.

Dia do trabalhador

A riqueza do mundo que possibilita a arrecadação de impostos e os investimentos em saúde, educação, combate a pobreza, conforto e bem-estar além de avanços tecnlógicos e a riqueza do mundo somente é gerada pela força do trabalho do ser humano, sem a força de trabalho seja braçal, ou intelectual não existe geração de riqueza. São os trabalhadores que sustentam a economia do mundo, Salve o Dia do Trabalhador!

Canais de ajuda para crianças e adolescentes.

Associação Pernambucana de Escoteiros se junta ao Unicef na campanha virtual ” CANAIS DE AJUDA A CRIANÇA E ADOLESCENTES” pois com a pandemia e o consequente confinamento das famílias tem ocorrido uma aumento nas denúncias de violação de direitos de crianças e adolescentes é importante que a sociedade se empodere dos canais onde possa fazer denúncias de violação de direitos. Não fique calado, denunciei!

Se for sair de casa, use a máscara! Guia Evellyn Isabelly.

Qualquer pessoa pode fazer uso de máscaras faciais de uso não profissional, inclusive crianças e pessoas debilitadas, desde que respeitadas a tolerância, o ajuste e a higiene do material.

Recomenda o uso em
locais públicos (por exemplo, supermercados, farmácia e no transporte público).
Quatro regras básicas devem ser seguidas:
a. a máscara é de uso individual e não deve ser compartilhada;
b. deve-se destinar o material profissional (máscaras cirúrgicas e do tipo N95 ou equivalente) para os
devidos interessados: pacientes com a COVID-19, profissionais de saúde e outros profissionais de
linha de frente em contato próximo e prolongado com possíveis fontes de contágio;
c. as medidas de higiene e a limpeza das máscaras não profissionais em tecido e a eliminação periódica
das descartáveis são ações importantes de combate à transmissão da infecção; e
d. fazer a adequada higienização das mãos com água e sabonete ou com preparação alcoólica a 70%.
IMPORTANTE: mesmo de máscara, mantenha distância de mais de 1 (um) metro de outra pessoa.